domingo, 26 de fevereiro de 2017

Do Pau Oco

Lua Morales


no tempo do cala-bouço
há uma festa entre fantasmas:
a sirene, o tiro no asfalto
minhas pernas bambas
avulsas, uma a uma
soltas no ar
- balão, pernas e oxigênio
para os lacrimogêneos

a vista turva
porque o tempo embaça
e há estilhaços nos olhos
para esta despedida
que parte meu coração
feito meu país calado

não, não sou um ser humano cínica
nem ímpar

Patricia Porto