sábado, 3 de dezembro de 2016

Estamos em falta

Projeto Artístico Olha Lá

por onde veias grossas passam
há um apanhador de sonhos:
em boca fechada não entra poesia!

meninos correndo entre palafitas
onde pulsa vida máquinas não rimam:
em boca fechada não entra poesia!

os sapatos que não sabem do pé a porta
ou sequer da poça de justiça que é puro sangue:
em boca fechada não entra poesia!

os pés juntos, o cheiro de suor úmido à venda, os miolos,
ouvidos são para outros versos, o sexo é outro, seca tua fome:
em boca fechada não entra poesia!

a falta de escola, de ar, de pão e privada,
a galinha e o esterco, o quilo da palavra chão, cruz no asfalto:
em boca fechada não entra poesia!

o corvo na curva, o corpo é de gole, o golpe é cachaça
- dos dias bolorentos são estranhas as mordaças:
em bocha fechada não entra, não sai
não entra
poesia!


Patricia Porto