sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Enigma

Wieslaw Walkuski


Quando a morte toca seu ventre,
a morte carregada no ventre, a morte da vida,
a vida  tão animada comendo do ventre,
a morte cheira a arnica, éter, patchouli.
Força! Diz a herdeira das horas.
Morte, que tamanho tem teu ventre?
As pedras me dizem teu nome como sussurro.
Tinha tanto medo dos fantasmas  
até escavar a pele, a pele escamada de sentimentos.
O fantasma era a própria compondo vigílias na casa escura.
Nenhuma notícia dos homens que chegavam ao Porto.
Uma árvore ali nasceu do ventre da morte ancorada.
Não dava frutos, somente sombras.

Patricia Porto