segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Livramento

Paulis Postazs



Não sou um bicho ordeiro
feito as galinhas de Meruca

- misteriosos eram os galos e as galinhas daquele lugar.

Feito um galo de briga cresci em meio às galinhas,

por isso me tornei um galo,

um galo de briga.

Pescoço duro, eriçado.

O avô, compenetrado, com a mão no queixo.

Misterioso era nascer mulher e galo

entre as galinhas ordeiras de Meruca, a beata.

Reminiscência é onda, água boa de sonho,

argila mole pra fazer o santo da casa

- por fora é que crença, a cura,

por dentro é esse sem limite, essa sombra.

Quando um verso molda

outro vem, rói a corda.

O livramento é um raso

e a memória dá rasteira no destino

com suas longas pernas de pau.

Patricia Porto