quinta-feira, 24 de março de 2016

Catavento

A palavra que chegava do vento
não trazia nenhuma história,
nenhum papel.

Ouvido aberto pra longe
só escutei o vidro espatifando.
Onde eu estive nos últimos anos?
Coração era uma terra tão doída
que amor não criava chão.
Criava tempo, palavra de tempestade
que não acolhe. Esmaga.

Patricia Porto