sábado, 27 de junho de 2015

absolutamente

Piet Biniek



às vezes a lua projeta uma amostra de seu seio esquerdo
tão esmagadora entre as duas mãos a vida,
-  a vida de porção líquida, escorre definitivos,
alvoroços encaixotados,
um tênis esquecido no armário
- tragédia silenciosa,
voz talhada por não-ditos, esquecimentos

viver e não-viver: dois espelhos rachados
"I loves you, Porgy" na porta mágica

azulejos brancos de separação
limpos, discretos,
precisam sempre de luvas cirúrgicas para asseio

basta reunir pedaços, catalogar as coleções
ou fazer outra qualquer bricolagem

absolutos não são afins
o último a sair
é apenas o último mesmo


Patricia Porto

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Mais Adão



Eric Marrian

Parece que Penélope não foi pro mar hoje.
Quede os tapetes, Mariona? "Sei não. Nem quero saber.
Hoje vou beber mais Adão."

Penduro contas
sofro redemoinhos na cabeça
e faço cordão de sobra.

Vou virar a folha dessa literatura sem olhar um triz pra esse ressinto.


Patricia Porto

terça-feira, 23 de junho de 2015

casa velha




Through the Back Door by Alfred E. Green & Jack Pickfor


esse poema é uma casa com vista para os fundos
nele há notícias velhas de escombros
uma parede infiltrada ´
arranhões e fraturas

parece um poema antigo desabitado
mas é só um poema em demolição

casa pequena posta abaixo
para a construção insalubre
de um arranha céu
na garganta

feito nó
apertado
- uma cinta

Patricia Porto


Traição é viral?

Carpinejando por aí. 

Gosto demais dos textos do Fabrício Carpinejar e isso vem de longa data. Hoje ele postou um texto muito bacana sobre traição na era virtual. "Até que o facebook nos separe". Seria como ter que ligar um "on ininterrupto" de fidelidade em todas as mídias sociais por onde se zanza. Pensei logo na patrulha da patroa. Engraçado dizer isso. Porque só nessas horas a mulher é a chefe, a patroa. Na hora da surra de toalha molhada e "vou rasgar teus documentos, porra!". Aí a patroa aparece, desce e faz barraco. Outro dia vi um cara correndo da mulher na rua e ele gritava: "ela é borderline. ela é borderline!" Fui imediatamente procurar no google e achei! Como disse a diretora da escola da minha filha: "...a mulher que larga o homem é louca. Conheço isso há trinta anos, minha filha." Por isso essa tal história de traição continua bem mais aceitável quando é o homem-macho-alfa que pratica ou quebra a cerca. 
Voltando ao texto do Carpinejar que fala dessas 24 horas no ar de vigília. São muitas as contas a pagar para o companheiro, companheira, namorado, namorada etc etc nessa mídia social que nos engole e se torna cada vez mais o que há de real. É confuso pra caramba, no mínimo! Como desvincular hoje ou sempre o que é do real do que não é do real? Entraríamos em questões filosóficas, voltaríamos pra lá dos pré-socráticos e não daríamos conta. Ou não pagaríamos a conta.
Bem, desde que o mundo é mundo há trocentas explicações coerentes e antropológicas, genéticas, darwinistas e o escambau para explicar que o homem é um bicho que trai por osmose. É da natureza dele. Mas é que inventaram que "homem" é o genérico para a distinção entre os sexos quando se trata, de fato, (vamos fazer uma continha rápida) de vários gêneros. Vamos combinar que trair e coçar é só começar mesmo. E a generalização do vale tudo e do pode tudo leva a uma dose de exagero nesse surf virtual. 
Concordo com Carpinejar que fica difícil controlar mídia social, zap zap e outros - para o parceiro, parceira, não confundir alhos como bugalhos. Mas fica sempre a dica: dá pra gente se controlar na comunicação e até dar aquela ajudinha pra aquela amiga, aquele amigo "sem noção" que tá lá de boca arreganhada esperando sua mudança de status.
Comentários inconvenientes, curtidas adoidado, marcações de coisas nada a ver... Tudo isso pode ser sim - não controlado, mas trabalhado, dialogado. Nós estamos ainda aprendendo a lidar com mídia social e isso leva tempo. É um aprendizado difícil entre erros e acertos. Talvez bem mais erros. Mas o certo e nesse ponto concordo plenamente com o que diz Carpinejar no final de seu texto é que "traição é ser íntimo de duas pessoas ao mesmo tempo". Perfeito. Mas se toda definição vem grávida de indagações, a gente pode voltar a um ponto de partida conceitual: o que é intimidade nesses novos tempos? Pois é. Dá pano pra manga de vários ditados populares. 
Na semana passada li um elogio engraçadíssimo numa mudança de foto de perfil de um amigo SC (super casado). Ele tinha mudado a foto e uma amiga comentou: "prefiro mil vezes com aquela barbinha nascendo". Sei lá. Afinal podem ser só coisas que viralizam na nossa cabeça. 
Muita água pra "rolar" (esse quase viral) embaixo dessas pontes virtuais.
Patricia Porto


Eis o texto de Carpinejar:

ATÉ QUE O FACEBOOK NOS SEPARE

Fabrício Carpinejar

Ser fiel e leal atualmente exige novos acréscimos no juramento da igreja.
É preciso ser fiel e leal na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, mas também no Facebook, no Whatsapp, no Skype, no e-mail, no Twitter, no Instagram...
Estamos nos casando hoje duas vezes. São dois casamentos simultâneos: na realidade e na virtualidade.
Tem gente que casa na vida real e não na virtual.
Não é apenas ser fiel e leal com o corpo, mas também com a imaginação e com a fantasia.
Não é apenas ser fiel e leal dividindo as tarefas, mas também não escondendo nada do celular.
Não é apenas ser fiel e leal em casa, mas em todas as caixinhas de mensagens e inbox.
Não é apenas ser fiel e leal falando, mas também em todas as letras, bytes e emojis.
Não é apenas ser fiel e leal na aparência, mas também quando ninguém está olhando, o que significa não seduzir ou não se mostrar fácil em diálogos na web, é ser casado 24 horas, é não testar os limites de estranhos com perguntas, não acreditar que traição é apenas sexo.
Traição é ser íntimo de duas pessoas ao mesmo tempo.

Diário de Viagem para Espantalhos e Andarilhos

Livro: Diário de Viagem para Espantalhos e Andarilhos

Livro: Diário de Viagem para Espantalhos e Andarilhos
Patricia Porto

Livro: Sobre Pétalas e Preces

Livro: Sobre Pétalas e Preces
Livro: Sobre Pétalas e Preces

Livro: Narrativas Memorialísticas: Por uma Arte docente na Escolarização da Literatura.

Livro: Narrativas Memorialísticas: Por uma Arte docente na Escolarização da Literatura.
Editora CRV; link: http://www.editoracrv.com.br/?f=produto_detalhes&pid=3111

Google+ Followers

Com-partilhados...

Pesquisar neste blog