terça-feira, 15 de setembro de 2015

biografia poética

Imaginei:
e seu eu morresse hoje, nesse instante agora
por que não consigo ficar triste?
triste é não ficar triste
a dor cresceu do meu pé à cabeça
pensei num último poema
mas veio a espinha
a espinha de peixe de rio
o rio doce da pequena morte
quando seca  
secou minha biografia poética
sem nenhuma grande transformação

entrei na rua estreita
carregava meus olhos que o rio há de comer
em cinzas

Imaginei a pouca presença no mundo
o pouco impacto na água
um cadáver arrumado de lirismos
frágil cena que se despede no mesmo pátio de escola
onde um menino corre atrás de uma bola

Que bom! Hoje não teremos aula 
Imaginei

Patricia Porto