terça-feira, 25 de agosto de 2015

Onde Folhas Lembram Galáxias



ONDE FOLHAS 
LEMBRAM GALÁXIAS


A casa da minha namorada fica numa
rua pequena, coberta de folhas
de amendoeira. Foi ela que me fez notar.
Até então, pisava nas folhas sem perceber
como o som dos estalidos lembrava
o crepitar da madeira. Apressado,
buscava chegar na casa dela
sem ver o póstumo mimetismo
que fazia as folhas adquirirem
tonalidades diferentes. As folhas
em frente ao prédio azul, eram
azuladas. As defronte ao
prédio rosa eram rosadas.
É algo relacionado à luz do sol.
Tudo na Terra, aliás, é relacionado
à luz do sol, relacionado a girar
em volta, o que me traz de volta
à minha namorada, em torno da qual giro
sem ficar tonto, como um dervixe,
um pião, uma ciranda acelerada
que espalha mais folhas ao redor,
formando uma galáxia caída na calçada.
Já contei que a calçada é irregular?
As raízes desfizeram as retas
para fazer mais folhas. Quebraram
concreto para produzir mais folhas
e criar sua própria calçada
em frente à casa da minha namorada.

Ricardo Gualda