quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

UNO

Andei encontrando alguns poemas depois da mudança. São poemas de quando eu tinha uns vinte ou até menos. As mudanças de casa têm nelas essa tarefa misteriosa de uma arqueologia das habitações. A casa e a mudança nos trazem tesouros ocultos e nos (re)levam de lembranças doces, outras amuadas - como bonecas russas, uma após a outra, uma dentro da outra. 


Rachel Caiano.


UNO

Além de mim mais alguém
                                                  e mais que alguém o
além
bem mais além que tudo
                                                  bem mais além que o
muro
que o mundo
                                                  Além de mim o mais
fluído
o amor de alguém no
                                                   sussurro
Um nome refém, um turvo
                                                   alguém desnudo no
curso
que talho, encurto
                                                   Além de mim o alheio
Alguém que nele não sou:
                                                   NULO.

P.Porto/1990