sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Pablo e Rosa


Edson Campos


Na língua que me falas
uma pátria de dialetos danço

Na boca que me chamas fogo,
acendo esse incêndio fundo

Se me vens de gala
eu me vou de porto

"Não, Pablo, só se for por sentimento..."

E aquele dia no cais,
minha alma inspirada...
Caso contigo, vou morar em Miracema.

Se me levas no colo,
eu que reviro os olhos,
eu que balanço os frutos,
viajo de correntezas...

Pablo, não sei se sou tua,
não sei se sou minha,
mas alegre te sigo,
dançando na noite,
a inteira.

Não te queixas,
não me deixas
não sei se é a sorte
ou a luz ao norte,
e vou de escuro,
vespeiro

Se me vens, eu curvo,
eu cravo,
eu o diabo
e quatro nem duvido

Pablo, se me vens de sons,
de guitarra, mala e veneno,
eu me mudo e tudo,
vou até de pluma,
pego o coletivo
e só anoiteço
no meio da rosa

na rosa, vou rosa...


Patrícia Porto