quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

O ventríloco


Yvetta Fedorova


Não era um corpo no jogo.
Era um arco no espaço.
Podia sentir as mãos e os fios,
pendia uma saliva, secava ao vento.
Vestido de clemência ao criador
era todo lustroso em vaidade.

Eis que balançava minha perna
e então podia se andar em juízo,
a boca se espremia entres sons
não pronunciáveis por dentro.

Era um grande temor não ter voz.
e falar as palavras de meu criador
na vertigem do signo.
Era um grande tremor ter a vida
por seu sopro, um estampido tenso,
numa centelha de pólvora na garganta.

Fios,
territórios desabitados,
terras abastadas,
petrificações,
ruas de sua vontade,

Bastava ao meu criador
que me amasse sob o gesto da submissão.
Abrir e cerrar meus olhos quando
ofegasse na respiração do ato.
Abrir minha boca, ouvir a gargalhada,
o entrar de fora de sua fala, abrir mais a boca,
estalar a engrenagem da boca até o final.

Torcido o corpo para a ginástica do espetáculo,
lançado para os lados em mapas desconexos
para alimentar-se das outras bocas abertas,
pequenas carícias.

Guardado na mala do criador era o espanto,
pernas, braços , tensionado em dobraduras,
boca murcha, olhos cerrados,
fios, fios, por um feixe de luz o fechamento da mágica.
De lá guardava as horas profundas de meu estático
- apodrecimento - na dor opaca e sombria dos objetos calados.
    
Pudesse...Não silenciava.

Patrícia Porto

Diário de Viagem para Espantalhos e Andarilhos

Livro: Diário de Viagem para Espantalhos e Andarilhos

Livro: Diário de Viagem para Espantalhos e Andarilhos
Patricia Porto

Livro: Sobre Pétalas e Preces

Livro: Sobre Pétalas e Preces
Livro: Sobre Pétalas e Preces

Livro: Narrativas Memorialísticas: Por uma Arte docente na Escolarização da Literatura.

Livro: Narrativas Memorialísticas: Por uma Arte docente na Escolarização da Literatura.
Editora CRV; link: http://www.editoracrv.com.br/?f=produto_detalhes&pid=3111

Google+ Followers

Com-partilhados...

Pesquisar neste blog