sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Sátira

SHI Yuling 

Que pai seria este:
macho e branco... O meu?
Um pai que pune o corpo,
que bate e tudo queima?
Sim, um deus que me assusta
com sua barba de homem e sua cinta na mão.
Ralhando do alto de sua majestade:
não herdarás, não comerás, não matarás...
(eco de maçãs)

Por isso me esforço para sair desse antagonismo
e do fio que desejo cortado.
E sigo me esforçando para não acreditar
que a vida não passa de uma piada de mau gosto
que me deixará sem graça ao final.

Patrícia Porto