sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Funâmbula

Hengki Lee


Verso que sai do emaranhado e vai ao cintilante.
Uma aventura póstuma em exercício de luto.
Esse poema deitado de hojes, escasso
de não-me-toques
: um tête-à-tête
Do Navegante ao caminhante
(sem palavras presas)
uma cidade inteira,
um gesto inteiro, sem medir, sem cálculo.
Fiel ao que desnuda, ao que translinha,
se oculta na manga sem sabotagem.
Dança recusas, promessas, precipitações
de cordas bambas.
Aprecia quedas, lampeja saltos.


Patrícia Porto