segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Chorinho



Essa música não é de vestir o sisudo,
o sisudo do outro, esse dilúvio de ingrato
é maltrato.
Agrado é de amor, espécie de dizer o coração
com olhos que procuram assim, no céu, no chão,
corpos de coreto, um caminho.

De tão alegre faz chorar.
E se choro sou choro
se choras meu choro
choro em dois,
E minha mão se estreita, desengonçada,
procura,  passeia, pedindo
uma dancinha ao menos,
um chorinho a mais.


PatPorto