quinta-feira, 25 de setembro de 2014

A cena


A cena

Era grave o volume, uma voz de volta escudo,
a voz do abismo que trago bom dentro por fuligem,
faço voltas no ar, contorno de fumaça, essa cortina oculta

são poemas rasgados,
tatuados votos com o desagravo de ser eu esse mesmo ser a mesma,
essa voz de outro nome, essa palavra riscada por cima, traçada ninha

sofro de excêntricos,
experimentos de voz
na curva assento

Patricia Porto