segunda-feira, 28 de julho de 2014

Ponto

Oleg Oprisco



O poeta é assim. Ele caminha incansavelmente.
Não o toleram. Ele marcha!
Tentam derrubá-lo e o atropelam. Ele se imagina caminho!

Patricia Porto