terça-feira, 25 de março de 2014

A primavera dos Palhaços

Portinari


Paisagens ancoradas
nas janelas do mundo:
fruta boa, furta a sorte do apego, o ferrugem.
Desapego palavras: livro, estante, música,
Física das palavras, de óculos olhando pra nós.
Sou capaz de voar pela palavra,
somos todos, todos centelhas, imagens,
origem e germinação constante de frutos.
Jardim onde os poetas deixam mensagens,
os poetas jardineiros,
os disfarçados de pássaros,
alimentando as boquinhas dos pequenos filhotes,
tão frágeis, tão frágil a Poesia, a vida, a criancice, 
que a palavra soluço acena sem dar chance de adeus
ou de saudade.


Patrícia Porto