quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Pela manhã.

Alain-Laboile. Arte en familia.


me agasalhei
com o que havia restado
depois da tempestade.

minhas partes lesadas
se encheram de vida.

Ouvi alguém chamar meu nome
com voz de criança.

Não sei quem era,
nunca saberei ao certo quem fui,
quem poderia ter sido
aquela menina
que agora,
pela manhã,
me abraça
o quem sou.

Patrícia Porto