quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Coisas

©Alejandro Arce ©Laura Trovò Carteleria y Fotos La suerte. 


Coisas
eu gosto das coisas assim como Manoel,
gosto de palavras e larvas,  
tenho dons de exatidão reversa,
me apaixono por pessoas e bichos, os de fora e dentro da casca,
mas as coisas que me fazem feliz são mínimas:
poemas, luzes de Natal, livros, santos,  amuletos,  pedrinhas coloridas,
sacolas de feira...
Que ideia é essa de mandar na sorte alheia?
Esses verbos imperativos da língua mãe que metem medo. 
Deixa o outro quieto no seu canto curando suas coisas, curtindo o tecido da linguagem,
deixa que ele escolha o tempo de se desvencilhar das coisas.
Deixa a inutilidade das coisas se formigarem até desmerecer saliva.
E quem quiser que vá consultar seu próprio umbigo na terra dos "indivíduos",
eu não monossílabo, eu me divido é com as coisas em muitas partes.

Patrícia Porto