quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Quartografia.

Sarolta Ban

Personagem auto psico grafada...
Vida virada... que é só reverso.
Se o coração é oco a cabeça entoa...
Mas meu coração de poeta é traço no mundo,
porque afinal eu nunca me chamei Raimundo.
Mas se ele me chama: Vem pra festa! Eu não vou...
Quero ficar só de quarto, virada da lua,
consumida de meus bens imprescindíveis:
Amor, poesia e café... 
sede de vida, vampira que assombra,
viagens noturnas ditam minha vida submarina, 
fluindo aqui, ali, em ocasos, casos e versos ocasionais.

Patrícia Porto