quinta-feira, 15 de agosto de 2013

paradoxais

Rafael Angulo

Nenhum pêndulo seria capaz
de me levar de um lado ao outro
sem os teus olhos a me seguir.
O Translado disso: mudar de mapa;
O medo, a revolução;
A terra, rota;
O curso, rumo;
O porto, pacífico;
A casa, estado...
I am the poet of the Body and I am the poet of the Soul...
Trans ferir do peito a cruz
para atravessar o mar a nado.
A tristeza colocar num susto violeta cor.
E mudar, mudar a grama paradoxal
a nascer sem permissão,
a morrer sob teus pés,
crescendo salgada, invadindo o campo minado
que inventei sozinho, em vigília,
entre objetos de sopro e tranca,
suspeitando apenas de mim entre todos nós.
I am the poet of the Soul and I am the poet of the Body...

Patricia Porto