domingo, 14 de julho de 2013

A Esperança de Banquete.

Centro de Arte Moderna de Lisboa.


Talvez a mão suave
de um futuro qualquer
em nosso ombro assente
para acalentar os abandonos
das partes arrancadas.
E nos contará de como é belo
o meio da rosa, o miolo do pão,
a melhor fatia da espécie
- a que de certo há de nos comer
o depois pelas beiradas.


Patrícia Porto