terça-feira, 11 de junho de 2013

A um senhor e seu amor inacabado.



Caro senhor,

Os cabelos que hoje crescem em mim já não os conheço.
Por isso retirei a capa da chuva.

E as máscaras dos hipócritas

que lhes cabem feito luvas -
essas não nos servem de cara puça.


Beberemos assim a hipocrisia dos mortos-vivos,
dos desvalidos de coração, de paixão, de cafuné.
louvaremos aos bobos que escrevem versos,

aos esquisitos que sonham de boca aberta
e acreditam piamente na bomba de chocolate e amor.


Patrícia Porto