segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Feito fruto e pão.

Acervo de família.


Ah, menina, por que corre?
O vento borboleta
nuvens carregadinhas de jabuticaba.
O teu balanço na árvore da vida é de giramundo.
Gotejando no telhado os buritis em sementinhas
caiem de maduros, batendo música.
Não corra tanto...
Não tenha tanta pressa de chegar à adultice.
Tem um ovo de sol nascendo
enquanto bichano se esconde entre as pernas de Dedé.
Vem devagar, passinho de tartaruga...
Olhos gigantes de infância, parede de tijolinhos,
uma corrida de bolo de laranja e água de tamarindo
pra onde a memória dorme bem aliviada,
se desmanchando toda na boca.  

Patricia Porto