quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

A dona do rio.

Imagem: Claudia Andujar, da série Sonhos Yanomami, 1974

Se eu pulo,
o rio me absorve o medo
então eu sou o rio
e o rio é o meu tombo no escuro ,
e eu sou a minha queda,
meus cabelos, minhas crias
no salto para o alto de mim mesma.
Se eu me lanço e caio,
sou sombra e trevas,
já não me pertenço,
Já não lhe pertenço.
Sou a entrega e o basta.
E se meu coração foi esmagado
pelas mãos estúpidas e assassinas de três
ou quatro parcas,
já não nos importa.
Eu o reconstruo parte a parte, fio a fio,
e até do inferno faço do tecido um jardim.
Pois a morte já não me pertence.
Porque eu pertenço ao trânsito do rio!
Ao amor escasso e humano,
rompendo o bloqueio das pedras!
Eu pertenço ao delicado sentido do bem!
Minha violência é água, não represa o amor
e o coração do mundo é um só. Tomba. Manifesta.
Não se pode esmagar uma mulher com uma derrota.
O rio corre – desalinha – é doce e perigoso,
de correntes e volumes,
 lágrimas todas dos silêncios amargurados de mãe
- molhando de margens, as teimosas, as teimosas,
que sopram, espumam, alimentam
de esperança outros e tantos e tantas coragens
de escudo o livre.
E o que for da vida
segue serpente
no rio, no rio... e rio...   
que já o vejo daqui.

Patrícia Porto

Diário de Viagem para Espantalhos e Andarilhos

Livro: Diário de Viagem para Espantalhos e Andarilhos

Livro: Diário de Viagem para Espantalhos e Andarilhos
Patricia Porto

Livro: Sobre Pétalas e Preces

Livro: Sobre Pétalas e Preces
Livro: Sobre Pétalas e Preces

Livro: Narrativas Memorialísticas: Por uma Arte docente na Escolarização da Literatura.

Livro: Narrativas Memorialísticas: Por uma Arte docente na Escolarização da Literatura.
Editora CRV; link: http://www.editoracrv.com.br/?f=produto_detalhes&pid=3111

Google+ Followers

Com-partilhados...

Pesquisar neste blog