quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Tua pele na minha.

Imagem© Hanson Kim
 L'avenir nous tourmente et le passè nous retient.
 Voilà pourquoi le present nous èchappe. 
Flaubert
Tua mão na minha palma
na tua alma abraçada cigana.
Tua pele é o fogo-deus,

abastecido de gente.
Meu oceano na tua fronha:
uma frota de manás. 
Com os meus dedos de dentro
cruzo dentro, por dentro dos teus dias.
Vou te correndo, te descobrindo
por meios afins e fins ilegítimos.
L'avenir nous tourmente...
Porque a via na tua reta é curva,
é láctea,  deixa minha noite adulta:
segura para fazer chá de hortelã
e beber soro de blues.
Minha fonte está no tato,
tua sede acabada
desnuda os meus seios de ontem.
Le passè nous retient...
Minha língua?
É que me veste
de coberta o escarlate.
Minha cobertura é de lua,
mas tua pele na minha transa
deixa minha cuca em sana.
Toda noite na tua febre,
todo dia vou vadia,
toda vida na tua arde,
toda minha sorte é sim,
é dorso, alimento de bico,
toda bossa é nossa prosa
e se minha nuca pela
- tua pele nua mina. brota.
Voilà pourquoi le present nous èchappe. 


Patricia Porto