segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Do charco.

Imagem© J. Guall
Meu amor disse:
“do charco nasce a flor”.
Charco, meu amor,
chagas do meu corpo doce,
flor violeta do meu sexo bruto,
como da brutalidade nasce o mel
e das violentas sedes da minha alma
nasce o escuro, em poças,
assim como do fim nasce o início,
como das bocas nascem e caem os dentes,
como da vida nasce a mente, a morte
e do tempo nasce o futuro que nos corta
ao meio
a nossa flor idade.

Patricia Porto