domingo, 26 de agosto de 2012

Um poema síntese.

Imagem@ Sarolta Ban.

Um poema assim:
paródico, póstumo,
na pista para negócio.
Passado de mão em mão,
instantâneo como sopa de saquinho:
abre, ferve, não geme e finda.

Patrícia Porto