sexta-feira, 28 de outubro de 2011

terra partida


Amo-te
mesmo quando há mor te
do tempo em nós
e o frágil mundo da poesia
ao amor se oferece idealizado.
Imagem: Antonio Brasiliano, Território Poético.

Amo-te onde o sereno é o mar,
mar de revoltas e revoltos ventos,
feito voltas que dou em volta do meu medo
em silêncio e espanto.
Feito um cão mendigando achar-se.
Amo-te nos desafios da certeza
- a que faltou existir, a quimera.
Sou incompleto, incoerente, inseguro...
Estou sempre no mergulho do que é transe,
buscando nos vazios de teus vagos
amar-te a negação, desterrado, 
no desterro da nau que sem pátria
ateia-se fogo e se exila.
Minha terra em partida,
minhas faces perdidas.

 Patricia Porto 

terça-feira, 25 de outubro de 2011

NO CREO EN BRUJAS.



                Clarice Lispector tem um texto belíssimo que fala sobre as vantagens de ser bobo. O bobo,  esse ser que  por  ignorado – consegue levar a vida com a dose certa de leveza. Ignoscere é um verbo em latim que significa “não conhecer”. A ignorância pode ser tomada então, por sua origem, como o substantivo do “não conhecimento”. E se algo diz muito perto à ignorância é a nossa conhecida “não compreensão”. Se não conhecemos não compreendemos, se não compreendemos não enxergamos. Daí a miopia que atinge a tantos e tantas. Tenho “conhecido” (e haja aspas!) gente muito míope e muito dura de espírito, tenho falado com elas e tenho aprendido bastante sobre as asperezas e a falta do humano que leva à incompreensão e ao mau humor, esse jeitinho blasé dos que se julgam superiores, gente que nunca deu uma gargalhada, nunca se expôs ao ridículo, nunca foi cafona. Tão bom ser cafona! Viver é digno do riso!  E já disse a Elisa Lucinda que “a vida não tem ensaio”. Concordo e me alongo no exercício de pensar. Diria nesse acordo tácito que a vida é o próprio rascunho, cheia de imperfeições, falhas, desvios, ranhuras, cortes, borrões... A minha pelo menos tem sido assim e não conheço outra melhor de pia.  Por isso sigo transitando pelas falhas do caminho, vou repleta de bobices, correndo riscos, expondo a pele à radiação numa tentativa despudorada de confiar no outro. Confiar? É um risco constante. E quem nunca correu riscos que atire a primeira pedra. Isso sim, uma bobagem... Já me desfiz de um caminhão de pedras que já foram atiradas em minha direção ou em qualquer direção. Porque que atira pedras atira em qualquer direção e tem gente assim que até cai, mas vai atirando para todos os lados - até o fim!, como peixe em grande agonia. Aquele pessoal que quer vencer pelo berro, pelo olhar de falsa superioridade e pelo verniz do falso conhecimento.
                    Eu sempre vivi de minhas "bobices". Eu costumo até dar o meu lugar na fila para quem eu sinto que precisa mais. Mas eu sei que "o cara bom" é o que fura a fila. "Esse é o esperto!" "É o malandro!" "O safo!" Eis o vencedor! O que ganha pela aparência, pelo sorriso amarelo e de canto, o que promete com elogios inesperados para depois fazer cobranças mais inesperadas ainda.  A bobice, eu soube, pode ser adquirida ainda em tenra infância. Na minha época de escola, por exemplo, eu era aquela garotinha que levava a equipe nas costas e fazia o trabalho todo sozinha. Vocês devem conhecer uma figura assim ou podem ser uma figura assim.  Essa é a função da "boazinha", do "bonzinho", coitados. Descobri há tempos que tenho "cara", "pinta" e "máscara" de boba (ou otária!), e deve estar escrito em letras garrafais na minha testa, piscando feito neon. Só pode! Porque estão sempre me passando a perna, a pernada, a rasteira... Tenha dó!  Sabe aquele doce de padaria que atrai um monte de moscas, aquelas famintas a fim de levar sua lasquinha? Pois bem, o bobo é assim, atrai os espertos com seus badulaques, espelhinhos e seus monopólios de comunicação. O hipócrita que vomita dez frases de efeito é um sujeito genial! Os acadêmicos de gabinete que mal se sustentam nas pernas de suas tolas e fracas teorias, fazendo um "mix" medonho de citações hiperbólicas de sujeitos que já até viraram dessa para pior, ainda assim também "parecem" geniais, arrotando as novas formas de sociabilidade: o churrasco, a troca de moedas, a camaradagem, o nepotismo matrimonial, o "toma lá, dá cá". Depois ainda dizem que são as novas teias, as novas redes... Sim, as redes - não são novas - mas as velhas de sempre, as da artimanha bélica pra lá de enferrujadas. Bobos não costumam sobreviver por muito tempo nessas velhas estruturas, são logo expurgados como corpo estranho.        
                  Bobo sim era Jesus Cristo. Disse Clarice. Acreditava no perdão. Acreditava na humanidade. Minha avó – que não era boba nem nada – dizia que se ele voltasse, o crucificariam de novo pela mesma via crucis. Eu sei que tem gente por aí que ia querer dar umas boas chibatadas em muita gente boba – sem perdão. Tem uma lista deles na fila de espera. Uma quadrilha de assassinos de possibilidades, de matadores de oportunidades, de esgana-dores dos afetos legítimos. Gente má mesmo. Má no sentido mais intenso e amplo da palavra maldade e que até naquele pedacinho do bem: azedou.  Gente que não perde a chance de puxar um tapete, de dizer vilanias, de espelhar e espalhar negatividade por onde passa, distribuindo ofensas preconceituosas, farpas de maldição, profecias, pragas e outros bichos mais. E nos ouvidos das chamadas "minorias", nos ouvidos das crianças e daqueles que "parecem" indefesos? Haja veneno gritando, explodindo!
              Não, não estamos perdidos. Eu sinto que a mesma realidade que nos afasta da crença e da confiança nos leva de volta pra elas.  Como sobreviver aos vampiros  sanguessugas que se intensificam e se fortalecem a cada geração que passa? Não à toa “o vampiro” se torna hoje a representação  recorrente do que “o  futuro nos reserva”, basta ver os tantos roteiros cinematográficos que se valem desse mote.  Nenhuma metáfora  talvez sirva melhor do que a do apetite voraz dos que sugam a energia alheia, esse tipo de ser que vive à sombra – sem nunca plantar e cuidar de sua própria planta, árvore, terra.  Aquele ser medonho que fica ali, à espreita, observando o menor descuido do outro para abocanhar a carne, o real, a sorte de muita gente honesta e trabalhadora. E eles vêm correndo, na maior sanha de ambição desmedida e aproveitam para jogar um tanto sal e matar a fertilidade que brota a olhos vistos! São predadores e sedutores, por isso precisamos ainda mais proteger as nossas criaturas e as nossas criações. Até porque eles estão por aí – em muitos lugares, nas melhores famílias. E de quatro em quatro anos se empoleiram e (acreditem!) distribuem “santinhos” nas nossas portas e “casas”. Entram pelos gabinetes e repartições levando – cada qual - uma corja de pequenos seres rastejantes ao redor.  Vampirescos, dantescos...  Dante, por sinal, projetou o melhor quadro da capital nacional, bem antes dos nossos dias.
                  Faxina é pouco. Melhor desratização acompanhada de banho de ervas, muita chuva de pipoca e água benta.  Marx e seus irmãos tinham razão e “pero que las hay las hay.


Patricia Porto

Diário de Viagem para Espantalhos e Andarilhos

Livro: Diário de Viagem para Espantalhos e Andarilhos

Livro: Diário de Viagem para Espantalhos e Andarilhos
Patricia Porto

Livro: Sobre Pétalas e Preces

Livro: Sobre Pétalas e Preces
Livro: Sobre Pétalas e Preces

Livro: Narrativas Memorialísticas: Por uma Arte docente na Escolarização da Literatura.

Livro: Narrativas Memorialísticas: Por uma Arte docente na Escolarização da Literatura.
Editora CRV; link: http://www.editoracrv.com.br/?f=produto_detalhes&pid=3111

Google+ Followers

Com-partilhados...

Pesquisar neste blog