sábado, 28 de julho de 2007

SOLIDÃO


A garganta é um corte

E se a goela está seca

O gargalo é a ceia

E se é pra Beber

Se é de Comer

Ou de cuspir

Corpo, corpo, corpo

nu Corpo de mim


Pra Ligar

Desligar

Engordar

Apertar todos os botões

Dessa guerra tão fria

E explodir

O casco

O couro

O fundo

O medo

de exílio