sábado, 7 de julho de 2007

Solidão de amiga

vai guardando
espinhos
na doramiga

São resurgências, dirão.
Ela se foi de tarde.
Tarde se foi, dirão.

Esfriou
A casa

Esfriou
O sol

Esfriou
O sonho

Amornou
A flor

Para aguar e dar

Para aguardar-te
no eu do amor
ou no eu da morte

Ainda é dia.
Morre não, rosa.

Patrícia Porto