quinta-feira, 19 de julho de 2007

pai,

eu queria te falar dos segredos que guardei
a sete chaves com alguns infinitos e finitos,
te falar de algumas durezas do meu espírito,
da comunhão com os meus amigos
e do amor e da traição que um deles me causou.

queria desvelar aos teus sentidos
o amanhecer do norte
o anoitecer do sul
e o meu tolo deslumbramento com o mundo humano...

as sensações de sentir
com o pensamento,
distante às vezes.

queria te falar
antes que as dores durem
por mais tempo que as alegrias
antes que as mortes cheguem
e anunciem o tempo da minha própria morte

queria eu viver na tua presença
como o último terceiro segredo lúcido
a não ser revelado,
morrer secreto
a fim de não ferir o encanto da fé
que vivi feito sangue e carne e gente

Patrícia Porto