sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Cabeça de Antígona, Patricia Porto

No dia 14 teremos o pré-lançamento do livro no evento nacional Mulherio das Letras, no espaço multicultural Tamarindeira Processos Criativos. João Pessoa, Paraíba, às 21h




 



No dia 18 o lançamento será na Blooks, no Reserva Cultural, Niterói, 19h - 22h




terça-feira, 3 de outubro de 2017

Lançamento Cabeça de Antígona _ Patricia Porto

Lançamento do meu livro. Uma felicidade que divido com vcs.





"Do alto da torre deste reformatório, o repique dos sinos, para anunciar nosso próximo lançamento:

"Cabeça de Antígona", de Patricia Porto que, segundo Délcio Teobaldo na apresentação do livro, "possui o manejo, tem as mãos adestradas ao ofício, mas chuta as panelas, rasga a nesga da saia a navalha, aumenta a chama a ponto de incendeio, erra a pitada do tempero. Por isso, quando me pediu que escrevesse uma orelha para este livro, reagi com ironia: “Ora, ora, Patrícia... Não te farei apenas a orelha. Te faço escuta”. Sonora escuta, porque os poemas de “Cabeça de Antígona” como, aliás, toda a poética de Patrícia Porto é de uma musicalidade que beira ao absurdo. Provoca desvario. Então, não se surpreendam que, cabocla e maliciosamente, sua Antígona se assemelhe a uma ribeirinha ancuda terçando um coco, um tambor de Mina, um samba de roda. Assim ela põe Antígona e Ogum no mesmo terreiro, e no ritmo alucinante da música! (leiam Patrícia Porto em voz alta, por favor!) "


Pré-lançamento em 14/10, durante o encontro do "Mulherio das Letras 2017" em João Pessoa.

Lançamento em 18/10, Niteroi-RJ
(Blooks, Reserva Cultural, 19h)

Em breve mais informações."

(Editora Reformatório)



quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Revolução

Věra Chytilová



Marche, mulher! Marche para fora da aldeia.
Marche sobre os corpos, as dentaduras, os brincos,
as rosas esquecidas, queimadas.
Marche sobre as hóstias salgadas, sobre o desenho de Ariadne.
Marche para a Vila, una-se à tropa.
Marche para o catafalco.
Marche sobre os desertos da Ásia, os danos da América arrependida, o atraso, o feto, a ossadura.
Marche para encontrar as mulheres da Índia, os dias de violência na boca do estômago em Myanmar.
Marche sobre as muralhas da China. Sobre o Himalaia.
Marche sobre o mar de crianças entre as terras. Marche!
Expõe teu útero no penhasco e dá te comer aos que tem fome.

Patricia Porto

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

terra roja



Ana Mendieta

no tempo em que as crianças eram destruídas com o olhar
e se urinavam nas calças,
eu mesma não sabia que se podia viver para além da infância

o apito da fábrica de vinagre era um motor
- máquina de braços
- a jaula do zoo não era mais o único espaço do mundo

havia o som ácido, o vapor, uma tardança quente, abafada
e talvez alguma outra urgência lá fora

longe da Memória?
Não. Nem longe do poço,
de tão fundo, medonho.

Patricia Porto

sábado, 9 de setembro de 2017

Exílio

© Claudia Andujar



A escrita é exílio.
Horizonte que ninguém alcança desde
do verme à dor que rompe o ventre.
E é mais uma vida salobra.
Mais uma que arde de corpo.
Este desejo de retorno é enxame. O lar é detrito,
terra salgada por dentro da carne.

Olhe aqui onde me sangra o peito:
minha casa perdida,
meus mortos enfileirados,
os pés juntos, pés e mãos
das mulheres que se arrebentam na espuma.

Olhe aqui onde minha terra se aparta:
há um solo e esta rachadura sísmica -
uma câmera construindo imagens,
cavalos velhos carregando cargas.

Olhe aqui onde me falta a palavra -
me falta também o ar, o pão e a lanterna.

Aqui é a escrita. Uma revoada de signos.
Sem lugar.
Lugar nenhum.
Ponto só
cego nó
de partida.

Patrícia Porto, Exílio.

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

COTURNO 36

Sally Mann


Pediu ao padrasto coturno que coubesse nos pés 36. Ele logo soltou em forma de berro: “e tu é homem? Vai usar coturno pra quê?” Não tinha resposta pra isso. Era astuta, mas era ainda mais moça que astuta. Colocou o velho tênis e foi para o trabalho. Mas meses depois lembrou do assunto de novo: “sargento, não tem como me arrumar um coturno 36?” O padrasto bateu na mesa: “onde é que tu já viu soldado com esse tamanho de pé? Tu é mulher macho?” Foi quando ela desistiu de pedir. O sargento era cabeça dura. Calçou o velho tênis e foi para o trabalho. De noite como era de costume dormia com uma faca embaixo da fronha. Era rotina ser visitada pelo padrasto à noite com o devido consentimento da mãe. Por isso quando tomou tento e força, tratou de trabalhar e no que ganhou o primeiro cruzeiro - comprou uma faca de cabo branco, das grandes, bem afiada. E arrumou amolador - dos bons também. Antes de deitar a mãe mandava orar. "Vai! Ora pra Deus!" Ela pegada do amolador e da faca, deixava o gume tinindo. Sonhava com um belo desfecho de golpe, a cama ensanguentada, a carne do porco perfurada até o osso. Conseguia dormir de alívio. Mas passou um ano e outro e outro ano. A faca só tinindo no aço esperando. Então um dia o padrasto veio. E a faca veio junto - a um dedo da fuça, bem no meio dos olhos. Reluzia na noite, clareando de morte, a achada. O homem assustado fugiu sem nem mesmo chiar, todo amarelo, cagado de medo. No dia seguinte quando ela voltou do trabalho lá estava sobre o travesseiro: o coturno 36, brilhando de engraxado.

Patricia Porto

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Patrícia Porto, "Colônia"

Um dos meus primeiros trabalhos na vida foi num armarinho. Eu tinha uns 15 anos. A dona era uma portuguesa que contratava criança pra trabalhar por míseros dinheiros. Na mesma época li "Crime e Castigo". Lia em pé nas longas horas vazias sem clientes. Alfinetes, linhas, botões, meias, bugigangas de plástico, brinquedos de plástico, muita merda de plástico. Em meus delírios, ainda bem acordada, me imaginava a assassina da patroa branca e rosada. E foi por tanto desejar que um dia pedi demissão. A bruxa me pagou as horas do dia e só. Disse que pagava o restante depois, mas nunca. Joguei todas as pragas que eu conhecia nela, todo mau agouro. Todos os dias esmagava seus olhos e apertava seu pescoço gordo e suado até sentir bom prazer. Quando chegou o Natal, a bruxa enfim me chamou no armarinho. Achei que fosse pagar o que me devia, mas nunca. Pegou um embrulho mal feito e estendeu a mão. "Toma. Estamos quites". Fui rasgando o papelão pelo caminho. Era um grande e desconjuntado bebê de plástico. Fui arrancando parte por parte até chegar em casa. A portuguesa bebê de plástico esquartejada pelo caminho. Tentei esquecer, mas nunca. Posso sentir o gosto de plástico até hoje na boca. Queria uma revolução, mas o mundo era feito de dor e barbárie.



quinta-feira, 10 de agosto de 2017

O tempo





O tempo era um sonho de quando eu era criança e brincava no poço de Jacó. O tempo era o desespero da casa amarela. O tempo fechado de quatro partes de um fruto que eu despedaço.

O tempo no escuro do mato. Não amo. Não mio. Não meio. Meço. Muito tempo. Pouco. Santo Agostinho. Não quero. Abuso. Não pude abraçar. Cheguei tarde. A terra era escura. O tempo da janela. Não vi seu rosto. Não vi o meu.

O tempo na traça. Mordendo meu calcanhar. Bruxa. O tempo da louca. O tempo da vespa. Uma nesga no vestido de chita. O tempo molhando o poço de Jacó, aquele que dormiu com a cabeça na pedra. Eclesiástico.  O tempo da casa. Poeira no espelho. Estou dormindo embaixo do balcão. Minha tia grita. “Um cão foi atropelado!” Não era eu. Nem era você.


Patricia Porto

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Cabra cega


fotografia: Sebastião Salgado




Patricia, filha de Hermozina, nasceu cega de um olho.
Mas Hermozina decidiu esconder.
Um olho basta. Disse Hermozina e pegou da matula pro dia seguinte.
Patricia, filha de Hermozina, cresceu sem saber que era cega de um olho.
Achava que tinha visão estreita e era só.
Cresceu. Casou e multiplicou-se como deu.
Um dia, já muito velha, achou que estava ficando cega e foi no oculista,
porque naquelas bandas era só o que tinha.
Disse o doutor: “Patricia, filha de Hermozina, tu sempre foste cega. De um olho!
agora ficaste dos dois”.

Patricia, filha de Hermozina, nem chorou. Porque ninguém chorava naquelas bandas.


Patricia Porto